A Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac) lança a Campanha pulsAção: sentindo o ritmo do seu coração. O objetivo é conscientizar a população sobre a importância do diagnóstico precoce e da adoção de tratamento adequado para a Fibrilação Atrial. De alcance nacional, a Campanha terá ação interativa em São Paulo, no próximo dia 4 de agosto, no vão livre do MASP.

Dentre as atividades do mini-circuito realizado na capital paulista está uma apresentação lúdica na qual um percussionista ilustrará, por meio de um instrumento musical, a diferença entre um ritmo cardíaco normal e o ritmo de um coração com fibrilação atrial.

O público presente também poderá conferir vídeos demonstrativos em notebooks, com explicações e ilustrações do funcionamento do coração com e sem a doença, podendo ainda levar para sua casa folders com todo o material descritivo sobre o tema.

“Pouco se fala da fibrilação atrial, mas a sua divulgação é importante, pois se trata de uma doença muitas vezes silenciosa, que pode gerar sérias consequências, como o AVC e a insuficiência cardíaca”, explica Dr. Guilherme Fenelon, presidente da Sobrac.

A fibrilação atrial é o tipo de arritmia cardíaca sustentada mais comum nas consultas clínicas, e já afeta 2,5% da população¹. É caracterizada pela desorganização da atividade elétrica dos átrios (câmaras superiores do coração), fazendo com que o ritmo atrial se torne rápido e irregular, além dos átrios perderem a sua capacidade de contração.

Os sintomas da doença incluem palpitações, falta de ar, tontura, dor no peito e cansaço, mas pode também ser completamente assintomática. No coração, a fibrilação atrial altera a função cardíaca, favorecendo o desenvolvimento da insuficiência cardíaca e a formação de trombos de sangue dentro do coração, podendo, dessa forma, causar um derrame, também conhecido como acidente vascular cerebral (AVC). As chances de um portador da doença sofrer um AVC são de cinco a sete vezes maiores do que a de uma pessoa que não tem a doença.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cardiologia, cerca de um em cada 10 mil jovens normais tem fibrilação atrial. Nesses indivíduos, a doença é geralmente intermitente, mas pode se tornar crônica em 25% dos casos. Esta condição pode ser provocada por estresse, álcool e fumo, porém na maioria das vezes não possui uma causa aparente.

O diagnóstico precoce e o controle da fibrilação atrial são de extrema importância para evitar as complicações da doença, que podem levar ao derrame (AVC).

Inicialmente, o tratamento da arritmia é feito com medicamentos antiarrítmicos. Além disso, pacientes com maior risco (idade acima de 75 anos, hipertensos, diabéticos, com insuficiência cardíaca, ou que já tiveram AVC) devem fazer a prevenção do AVC com remédios anticoagulantes.

Pacientes que não respondem ou são intolerantes ao tratamento medicamentoso podem se beneficiar da ablação por cateter, principalmente aqueles mais jovens, com muitos sintomas e sem doença cardíaca significativa. Em pacientes com essas características, a ablação por cateter é considerada um procedimento seguro e eficaz para a correção da fibrilação atrial, reduzindo em 65% o risco de recorrência da fibrilação em comparação aos medicamentos antiarrítmicos pelo período de um ano.

Essa prática consiste na introdução de cateteres pelo sistema circulatório periférico. Os cateteres são guiados até o coração, onde isolam ou eliminam as áreas de tecido atrial responsáveis por gerar uma atividade elétrica irregular. O tipo de cateter para ablação mais comum usa energia de radiofrequência para “cauterizar” o tecido do coração, criando uma cicatriz que impede novas descargas irregulares.

Já existem no Brasil procedimentos de ablação em que o médico consegue ter um mapeamento 3D do sistema elétrico do coração e visualizar os cateteres sem o uso de aparelhos de Raios-X, diminuindo a exposição do paciente e da equipe médica à radiação e aumentando a precisão do procedimento.

A campanha pulsAção: sentindo o ritmo do seu coração tem o apoio da Biosense Webster, líder no segmento de diagnóstico e tratamento das arritmias cardíacas.

Serviço

pulsAção: sentindo o ritmo do seu coração

Data: 4 de agosto

Horário: das 7 às 15 horas

Local: Vão Livre do MASP – Av. Paulista, 1578 – sentido Centro/Bairro

Para saber mais: www.ritmodocoração.com.br

[1] Estudo da SOBRAC (Sociedade Brasileira de Arritmia Cardíaca) e do DECA (Departamento de Estimulação Cardíaca Artificial da Sociedade Brasileira de Cirurgia Cardiovascular) de 2009, com base em dados oficiais do Ministério da Saúde, referentes a 2007.