Eu deveria estar finalizando um artigo sobre reumatologistas. Mas esta manhã, ainda na cama, li um post no NYTimes que me fez lembrar que hoje é dia 25 de fevereiro. E há exatamente um ano conheci uma pessoa extraordinária, que vive neste mundo, mas não é deste mundo. Falo da Dra. Sissy Fontes, a coordenadora do Curso de Cuidados Integrativos da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Nós tivemos nosso primeiro contato por telefone, para uma entrevista. E, na verdade, não foi um encontro. Foi um reencontro, cuja lembrança foi acessada imediatamente. Sabem aquelas pessoas que você nunca viu, mas quando falam lhes parecem velhos conhecidos? Pois é. Foi assim conosco. Desde então eu tenho tido o privilégio de testemunhar o trabalho de uma pioneira que é também uma guerreira. Diante dela, todos têm um tremor reverencial. Em qualquer outro lugar do mundo, ela já teria recebido algum prêmio de reconhecimento por seu empreendorismo.

Curiosamente, ser empreendera, para ela, não tem a ver com estratégias para vencer no mundo corporativo. Tem a ver com almas e corações. E quem tem esse destino, quase sempre sofre mais do que os outros. Mas para essa jovem mulher, as adversidades são um bailado. Talvez uma valsa onde ela, às vezes, precisa curvar o corpo e a cabeça. Em outros momentos, ela apenas gira, mudando para o lado onde é possível seguir com as passadas largas, sem se importar com as paradas estratégicas, vistas como um pretexto para recomeçar. Ela sorri diante da incompreensão. E se emociona porque o caminho que todos nós, seus alunos, estamos trilhando, é igualmente o seu. Mudando o que deve ser mudado, para descrevê-la alguém poderia usar aquela frase conhecida – Eu não faria seu trabalho por dinheiro algum neste mundo! Sua resposta seria a já ouvida – Eu também! Faço tudo isso por amor!

Mas então a ligação com o texto desta manhã. Trata-se de um relato de uma enfermeira que conta como os familiares de pacientes gostam de presentear a enfermagem com comida. Doces, tortas, bolinhos, almoços encomendados em buffets, coisas de comer industriais ou feitas em casa! Ela se pergunta porque é que as pessoas repetem esse mesmo comportamento. Afinal, as enfermeiras estão fazendo o trabalho que escolheram para suas vidas – dar remédios, falar com os médicos, facilitar exames laboratoriais! Aí ela completa dizendo que o que realmente move essas pessoas é o trabalho emocional que desenvolvem com os pacientes. “É isso que inspira a gratidão nelas”. Traduzindo isso, trata-se da construção de relações, acolhimento, escuta do outro.

O relato segue contanto a história de uma jovem que, um dia, apareceu em sua ala, após a alta médica, segurando um lindo bolo de aniversário. Ela não comemorava mais um ano de vida, mas uma vida nova, já que se submetera ao transplante de células estaminais. E estava tão bem, que tinha até tido tempo e disposição para fazer um bolo e presenteá-lo para a equipe. “Muito feliz, ela me deu a receita, mas eu nunca fiz. Embora eu seja uma boa cozinheira, pensei que não seria possível fazer um bolo tão saboroso como o que comemos naquele dia. Fora desse contexto, ele seria apenas um bolo de chocolate. Faltaria o maior ingrediente dessa história inspiradora: o ponto de vista raro e impagável de uma paciente para quem uma vida nova em folha veio através de nossas mãos”, fala a enfermeira.

Ao longo de todo esse ano, ficou claro para mim que a Dra. Sissy tem sempre nos bolsos de seu jaleco um pacote desse raro ingrediente que torna tudo possível e delicioso: confeitos emocionais. Para ser um Cuidador Integrativo, é preciso aprender a ter uma consciência amorosa, pois tudo se resume em dar e receber amor. Parece fácil? Não é! Esse é o nosso maior desafio neste mundo.

Aceite minha gratidão, Sissy! Por tudo, e sempre!

Para saber mais sobre o Curso de Extensão Universitária (lato sensu) de Cuidados Integrativos da Universidade Federal de São Paulo, Escola Paulista de Medicina (Unifesp/EPM), acesse:

http://www.unifesp.br/index.php?cod=2&pag=cursoext.php&tipo=1

Veja a reportagem com a Dra. Sissy Fontes:

http://jovempan.uol.com.br/videos/sissy-veloso-fontes-45653,1,0