82034826Fiquei pesquisando na internet a existência de alguma doença típica do Natal. Pensava encontrar algo ligado à melancolia, excessos alimentares e alcoólicos, estatísticas sobre acidentes etc. Nada. Foi uma surpresa descobrir que existe uma doença denominada Christmas disease,  um tipo de hemofilia.

A hemofilia é um distúrbio na coagulação do sangue. Quando cortamos alguma parte do nosso corpo e o sangramento começa, as proteínas (elementos responsáveis pelo crescimento e desenvolvimento de todos os tecidos do corpo) entram em ação para estancá-lo. A esse processo chamamos coagulação. Pessoas portadoras de hemofilia, não possuem essas proteínas e, assim, sangram mais do que o normal.

Existem vários fatores que contribuem para a coagulação no sangue e eles agem de forma seqüencial. É no final dessa seqüência determinada que se forma o coágulo e o sangramento se interrompe. Para um hemofílico, um desses fatores não funciona: o coágulo não se forma e o sangramento continua.

Essa patologia é hereditária e antiga, mas somente passou a ser controlada nos últimos cinqüenta anos. Textos judaicos do século II DC descrevem histórias de meninos que sangraram até morrer após a circuncisão.

Ao longo dos anos, a doença passou a ser conhecida e descrita na literatura médica, mas jovens rapazes simplesmente morriam porque os médicos não sabiam qual era sua causa, nem sabiam como tratá-la. Somente em 1800 concluiu-se que o sangramento era conseqüência de um problema na estrutura dos vasos sangüíneos. Em 1937 foi então encontrada uma substância no sangue normal que fazia com que o sangue dos hemofílicos coagulassem: a globulina anti-hemofílica.

Já em 1944, pesquisadores misturaram o sangue de dois hemofílicos. O sangue de ambos se coagulou. Contudo, apesar da descoberta, não havia uma explicação para o fenômeno. Em 1952, outros estudiosos ingleses perceberam que haviam dois tipos de hemofilia distindos a partir do estudo de um caso de um menino de 10 anos chamado Stephen Christmas, e que parecia não ter a típica doença.Foi aí que os médicos chamaram essa nova versão da patologia de hemofilia B, ou doença de Christmas e a do tipo mais comum ou clássica, de hemofilia A.

Uma curiosidade: especialistas em psicossomática dizem que doenças no sangue, problemas de coagulação, anemia, estão relacionadas à falta de alegria na vida. É como se não corresse pelas veias a seiva necessária para seguir vivendo. Parece irônico que a hemofilia, ou a doença de Natal, nos remeta à lembrança de uma festa que possui em seu simbolismo a alegria e a esperança.

Neste Natal, desejo paz a todos os homens e mulheres de boa vontade!